Participe ao vivo

  • Musical Brasil Sul

    Rádio Brasil Sul

Participe na programação ao vivo da Brasil Sul!

Jornalismo

«
Anterior
Google vai veicular notícias com acesso aberto em...
»
Próxima
TSE retoma na terça julgamento sobre ações que bu...

No Quintal do Vinil: RPM e seu disco "esquecido"


LP de 1993 traz uma formação diferente da banda que conquistou os anos 80, com boas músicas e esquecido por muitos fãs.

Reportagem de Juliano Lantmann

Se teve uma banda de rock no Brasil que conseguiu um status um pouco semelhante aos The Beatles, essa banda foi o RPM nos anos 1980. Paulo Ricardo (Vocal e Baixo), Fernando Deluqui (Guitarra), Luiz Schiavon (Teclados) e Paulo P.A. Pagni (Bateria) foram os grandes ídolos do emergente rock nacional e conquistaram uma legião de fãs pelos quatro cantos do País. Inovaram em tudo que você possa imaginar, desde o arranjo das músicas até a estrutura de palco e som. Para se ter uma idéia esse mega estrutura era levada em um caminhão Mercedez, tendo aproximadamente 1 tonelada de equipamentos. A banda tinha um ônibus fenomenal com TV, som, cama e uma "salinha" de reunião.

Você com certeza conhece o disco Rádio Pirata Ao Vivo (vou falar dele em outras colunas) que vendeu mais de 3 milhões de cópias, sendo o LP de rock mais vendido da história juntamente com o "As Quatro Estações" da Legião Urbana (1989) e Mamonas Assassinas (1995) que venderam mais de 2 milhões de cópias. 

Depois do grande sucesso com o Rádio Pirata e uma turnê super bem sucedida a história do RPM começava a mudar...pra pior. Em 1988 o quarteto não estava conseguindo repetir o grande sucesso do passado e com dificuldades em criar um material para tentar manter o nível do disco anterior. Alugaram uma casa em Búzios (RJ) e todo o material do LP "Quatro Coiotes" foi composto lá. O disco teve uma vendagem de "apenas" 300 mil cópias, o que pra banda seria um fracasso. As músicas "Sete Mares", "Partners" e "Quatro Coiotes" foram bem executadas, mas nada lembrava aquele grande sucesso feito nos lps anteriores. Com muitas brigas, a banda encerra suas atividades em 1989 e cada um segue sua vida e seus projetos. A gravadora CBS (Sony/BMG) apostava apenas em Paulo Ricardo para lançar um trabalho solo, do qual dois discos foram gravados: Psicotrópico (1989) e Cançoes,Revoluções (1990). Detalhe: apenas Fernando Deluqui participou como músico convidado nesses dois álbuns.

Aí entrou um novo projeto e um outro RPM. Sim, o RPM voltava com uma formação diferente e uma nova sonoridade. Da antiga banda apenas Paulo Ricardo e Deluqui encabeçam o novo projeto. No lugar de Luiz Schiavon entrava Franco Júnior nos teclados e na bateria no lugar de P.A. entrava Marquinhos Costa (Tocou na banda do Programa do Faustão nos anos 2000 junto com o Schiavon). A Polygram topou abraçar o projeto e a banda partiu para uma nova sonoridade, deixando um pouco de lado os teclados e sintetizadores, dando mais espaço para a guitarra de Deluqui. Pra quem gosta de uma boa pegada de Rock n Roll, esse disco é um prato cheio. Só que muitos fãs não curtiram a banda sem os outros dois integrantes, o que acabou não emplacando em vendas e em shows. Os fãs queriam aquele RPM dos anos 1980 de volta. A banda teve uma música na novela das 7 "Olho no Olho" da Rede Globo em 1993. A canção "Gênese" abre o disco e entra como tema de Fred (Nico Puig) que comandava uma organização criminosa em São Paulo.

Depois disso, a Banda teve indas e vindas. A primeira delas foi em 2002 com o projeto MTV e com a formação original. Por último em 2011 voltaram mais uma vez e gravaram o disco ELEKTRA, foram para a estrada e por meados de 2017 chegou ao fim.

Pra quem frequentou os shows do RPM, com certeza deve ter notado a ausência das músicas do LP de 1993. Os integrantes nunca comentaram a verdadeira razão de não incluir essas canções em shows ou apresentações em rádio e tv. No disco ELEKTRA a música "Ninfa" foi incluída, mas era a música "lado b" da banda até então. Muitos fãs pediam várias músicas desse LP como: Pérola, Gênese, Veneno e Surfista Prateado. Outra curiosidade que marcou esse LP foi que por contrato a banda lançaria um àlbum em espanhol, sendo distribuído para a América do Sul e Estados Unidos.

Pra quem gosta de um bom Rock N Roll...vale a pena ter esse disco no arquivo. Um dos grandes trabalhos da banda, só que esquecidos por eles próprios.

Ficha Técnica - Paulo Ricardo e RPM

Produção: Mayrton Bahia

Gravadora: Polygram (Universal Music)

Ano: 1993

Faixas:

  1. "Pérola" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)
  2. "Gênese" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)
  3. "Veneno" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)
  4. "Surfista Prateado" (Paulo Ricardo)
  5. "O Fim" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)
  6. "Outro Lado" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)
  7. "Hora do Brasil" (Fernando Deluqui; Franco Jr.; Paulo Ricardo)
  8. "Eclipse" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)
  9. "Ninfa" (Paulo P.A. Pagni; Paulo Ricardo)
  10. "Trem" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)
  11. "Vírus" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)
  12. "Falsos Oásis" (Fernando Deluqui; Paulo Ricardo)

Quer curtir a música "Pérola"? Só clicar no player acima da manchete.

Ah, e tem o Clipe Oficial da canção "Pérola". É só clicar no vídeo abaixo!!!

Até a Próxima!!!!